Follow @ReeParra
I'm missing you again.
link 5
um titulo maneiro aqui.

Na última semana eu estava conversando com um colega e ele me perguntou uma coisa na qual eu nunca tinha paro pra pensar. Perguntou-me o que eu odiava em você. Eu, que sempre tenho respostas na ponta da língua, fiquei sem saber o que responder. Pensei, (re)pensei e não consegui responder nada. Passou um, dois, três dias e eu pensando nisso. Tentando encontrar algo em você que eu odiasse. Aliás, odiasse não, pois é uma palavra muito forte, mas algo que não me atraísse. Até que achei a resposta. Eu odeio o modo como você sorrir e fala quando está sendo irônico, porque você sabe que eu só gosto da ironia quando sou eu que a uso. Odeio quando você nota em mim coisas que eu quero esconder, tipo quando estou com ciúmes e não quero admitir. Odeio o quanto você está certo na maioria das coisas ou quando acontece algo que minutos atrás você disse que aconteceria. Eu odeio o quanto você é convencido e organizado, porque você sabe que eu nunca fui lá essa garota organizada e muito menos convencida. Argh! Odeio o quanto você me tem nas mãos e sabe que o seu sorriso de canto acaba comigo - os outros também, mas o de canto é fatal. Sério, ele me desarma totalmente e me faz pensar “Pra que um sorriso desses? Porque você não pode simplesmente sorrir sem provocar algum efeito em mim? Droga, droga, droga!” E o pior de tudo: você sabe que ele tem esse poder e sorrir desta forma só para ver-me assim, toda derretida por você. Eu odeio quando você sabe o que sinto ou me manda fazer algo como, por exemplo, tomar remédio pra mim não ficar doente; sendo que eu não suporto que me mandem fazer as coisas, porque eu sempre quero mostrar que posso ser responsável e mostrar que sei me cuidar sozinha, mas você também sabe que na maioria das vezes eu preciso correr pra perto de você e ganhar um abraço maravilhoso, forte, protetor. Eu odeio as diversas vezes que eu quero pegar você e guardar dentro de uma caixinha só pra mim e odeio o quanto isso me faz pensar que sou egoísta. Odeio quando estou com raiva e você me faz rir, porque eu não sei se você sabe - deve saber afinal você me conhece da cabeça aos pés - mas eu odeio rir para alguém quando estou com raiva, principalmente quando estou chateada com a pessoa que me causou o riso. Odeio o quanto você me faz pensar em você quando está longe e o fato d’eu te querer mais perto quando está por perto. Odeio quando você diz que vai ligar e acaba não ligando. Odeio quando está comigo e checa o celular inúmeras vezes ou quando estamos separados e por sua causa eu checo o celular milhões de vezes. Sei lá, quem sabe você não telefonou ou mandou mensagem e em um momento de distração eu não vi? Odeio o seu silêncio e quando fala algo sobre aquela garota que não me agrada e quando não pega na minha mão - eu acho tão bonito pequenos gestos como este. Odeio quando eu lhe digo algo que é sério pra mim e se torna besteira pra você. Odeio o medo que sinto de algum dia lhe ver ao lado de outra. Mas, quer saber a verdade? Odeio não conseguir te odiar. Odeio gostar tanto de você.

THEME © ="" /> I'm missing you again.
cares for me ?
link link link link
link link link link

Na última semana eu estava conversando com um colega e ele me perguntou uma coisa na qual eu nunca tinha paro pra pensar. Perguntou-me o que eu odiava em você. Eu, que sempre tenho respostas na ponta da língua, fiquei sem saber o que responder. Pensei, (re)pensei e não consegui responder nada. Passou um, dois, três dias e eu pensando nisso. Tentando encontrar algo em você que eu odiasse. Aliás, odiasse não, pois é uma palavra muito forte, mas algo que não me atraísse. Até que achei a resposta. Eu odeio o modo como você sorrir e fala quando está sendo irônico, porque você sabe que eu só gosto da ironia quando sou eu que a uso. Odeio quando você nota em mim coisas que eu quero esconder, tipo quando estou com ciúmes e não quero admitir. Odeio o quanto você está certo na maioria das coisas ou quando acontece algo que minutos atrás você disse que aconteceria. Eu odeio o quanto você é convencido e organizado, porque você sabe que eu nunca fui lá essa garota organizada e muito menos convencida. Argh! Odeio o quanto você me tem nas mãos e sabe que o seu sorriso de canto acaba comigo - os outros também, mas o de canto é fatal. Sério, ele me desarma totalmente e me faz pensar “Pra que um sorriso desses? Porque você não pode simplesmente sorrir sem provocar algum efeito em mim? Droga, droga, droga!” E o pior de tudo: você sabe que ele tem esse poder e sorrir desta forma só para ver-me assim, toda derretida por você. Eu odeio quando você sabe o que sinto ou me manda fazer algo como, por exemplo, tomar remédio pra mim não ficar doente; sendo que eu não suporto que me mandem fazer as coisas, porque eu sempre quero mostrar que posso ser responsável e mostrar que sei me cuidar sozinha, mas você também sabe que na maioria das vezes eu preciso correr pra perto de você e ganhar um abraço maravilhoso, forte, protetor. Eu odeio as diversas vezes que eu quero pegar você e guardar dentro de uma caixinha só pra mim e odeio o quanto isso me faz pensar que sou egoísta. Odeio quando estou com raiva e você me faz rir, porque eu não sei se você sabe - deve saber afinal você me conhece da cabeça aos pés - mas eu odeio rir para alguém quando estou com raiva, principalmente quando estou chateada com a pessoa que me causou o riso. Odeio o quanto você me faz pensar em você quando está longe e o fato d’eu te querer mais perto quando está por perto. Odeio quando você diz que vai ligar e acaba não ligando. Odeio quando está comigo e checa o celular inúmeras vezes ou quando estamos separados e por sua causa eu checo o celular milhões de vezes. Sei lá, quem sabe você não telefonou ou mandou mensagem e em um momento de distração eu não vi? Odeio o seu silêncio e quando fala algo sobre aquela garota que não me agrada e quando não pega na minha mão - eu acho tão bonito pequenos gestos como este. Odeio quando eu lhe digo algo que é sério pra mim e se torna besteira pra você. Odeio o medo que sinto de algum dia lhe ver ao lado de outra. Mas, quer saber a verdade? Odeio não conseguir te odiar. Odeio gostar tanto de você.


>

Na última semana eu estava conversando com um colega e ele me perguntou uma coisa na qual eu nunca tinha paro pra pensar. Perguntou-me o que eu odiava em você. Eu, que sempre tenho respostas na ponta da língua, fiquei sem saber o que responder. Pensei, (re)pensei e não consegui responder nada. Passou um, dois, três dias e eu pensando nisso. Tentando encontrar algo em você que eu odiasse. Aliás, odiasse não, pois é uma palavra muito forte, mas algo que não me atraísse. Até que achei a resposta. Eu odeio o modo como você sorrir e fala quando está sendo irônico, porque você sabe que eu só gosto da ironia quando sou eu que a uso. Odeio quando você nota em mim coisas que eu quero esconder, tipo quando estou com ciúmes e não quero admitir. Odeio o quanto você está certo na maioria das coisas ou quando acontece algo que minutos atrás você disse que aconteceria. Eu odeio o quanto você é convencido e organizado, porque você sabe que eu nunca fui lá essa garota organizada e muito menos convencida. Argh! Odeio o quanto você me tem nas mãos e sabe que o seu sorriso de canto acaba comigo - os outros também, mas o de canto é fatal. Sério, ele me desarma totalmente e me faz pensar “Pra que um sorriso desses? Porque você não pode simplesmente sorrir sem provocar algum efeito em mim? Droga, droga, droga!” E o pior de tudo: você sabe que ele tem esse poder e sorrir desta forma só para ver-me assim, toda derretida por você. Eu odeio quando você sabe o que sinto ou me manda fazer algo como, por exemplo, tomar remédio pra mim não ficar doente; sendo que eu não suporto que me mandem fazer as coisas, porque eu sempre quero mostrar que posso ser responsável e mostrar que sei me cuidar sozinha, mas você também sabe que na maioria das vezes eu preciso correr pra perto de você e ganhar um abraço maravilhoso, forte, protetor. Eu odeio as diversas vezes que eu quero pegar você e guardar dentro de uma caixinha só pra mim e odeio o quanto isso me faz pensar que sou egoísta. Odeio quando estou com raiva e você me faz rir, porque eu não sei se você sabe - deve saber afinal você me conhece da cabeça aos pés - mas eu odeio rir para alguém quando estou com raiva, principalmente quando estou chateada com a pessoa que me causou o riso. Odeio o quanto você me faz pensar em você quando está longe e o fato d’eu te querer mais perto quando está por perto. Odeio quando você diz que vai ligar e acaba não ligando. Odeio quando está comigo e checa o celular inúmeras vezes ou quando estamos separados e por sua causa eu checo o celular milhões de vezes. Sei lá, quem sabe você não telefonou ou mandou mensagem e em um momento de distração eu não vi? Odeio o seu silêncio e quando fala algo sobre aquela garota que não me agrada e quando não pega na minha mão - eu acho tão bonito pequenos gestos como este. Odeio quando eu lhe digo algo que é sério pra mim e se torna besteira pra você. Odeio o medo que sinto de algum dia lhe ver ao lado de outra. Mas, quer saber a verdade? Odeio não conseguir te odiar. Odeio gostar tanto de você.

Na última semana eu estava conversando com um colega e ele me perguntou uma coisa na qual eu nunca tinha paro pra pensar. Perguntou-me o que eu odiava em você. Eu, que sempre tenho respostas na ponta da língua, fiquei sem saber o que responder. Pensei, (re)pensei e não consegui responder nada. Passou um, dois, três dias e eu pensando nisso. Tentando encontrar algo em você que eu odiasse. Aliás, odiasse não, pois é uma palavra muito forte, mas algo que não me atraísse. Até que achei a resposta. Eu odeio o modo como você sorrir e fala quando está sendo irônico, porque você sabe que eu só gosto da ironia quando sou eu que a uso. Odeio quando você nota em mim coisas que eu quero esconder, tipo quando estou com ciúmes e não quero admitir. Odeio o quanto você está certo na maioria das coisas ou quando acontece algo que minutos atrás você disse que aconteceria. Eu odeio o quanto você é convencido e organizado, porque você sabe que eu nunca fui lá essa garota organizada e muito menos convencida. Argh! Odeio o quanto você me tem nas mãos e sabe que o seu sorriso de canto acaba comigo - os outros também, mas o de canto é fatal. Sério, ele me desarma totalmente e me faz pensar “Pra que um sorriso desses? Porque você não pode simplesmente sorrir sem provocar algum efeito em mim? Droga, droga, droga!” E o pior de tudo: você sabe que ele tem esse poder e sorrir desta forma só para ver-me assim, toda derretida por você. Eu odeio quando você sabe o que sinto ou me manda fazer algo como, por exemplo, tomar remédio pra mim não ficar doente; sendo que eu não suporto que me mandem fazer as coisas, porque eu sempre quero mostrar que posso ser responsável e mostrar que sei me cuidar sozinha, mas você também sabe que na maioria das vezes eu preciso correr pra perto de você e ganhar um abraço maravilhoso, forte, protetor. Eu odeio as diversas vezes que eu quero pegar você e guardar dentro de uma caixinha só pra mim e odeio o quanto isso me faz pensar que sou egoísta. Odeio quando estou com raiva e você me faz rir, porque eu não sei se você sabe - deve saber afinal você me conhece da cabeça aos pés - mas eu odeio rir para alguém quando estou com raiva, principalmente quando estou chateada com a pessoa que me causou o riso. Odeio o quanto você me faz pensar em você quando está longe e o fato d’eu te querer mais perto quando está por perto. Odeio quando você diz que vai ligar e acaba não ligando. Odeio quando está comigo e checa o celular inúmeras vezes ou quando estamos separados e por sua causa eu checo o celular milhões de vezes. Sei lá, quem sabe você não telefonou ou mandou mensagem e em um momento de distração eu não vi? Odeio o seu silêncio e quando fala algo sobre aquela garota que não me agrada e quando não pega na minha mão - eu acho tão bonito pequenos gestos como este. Odeio quando eu lhe digo algo que é sério pra mim e se torna besteira pra você. Odeio o medo que sinto de algum dia lhe ver ao lado de outra. Mas, quer saber a verdade? Odeio não conseguir te odiar. Odeio gostar tanto de você.